terça-feira, 24 de março de 2009

Desta água não beberei?

Numa conversa entre colegas, alguém disse:

- às vezes questiono-me se serei verdadeiramente honesta ou se ainda não tive oportunidade para ser desonesta...

Fiquei intrigada...

Será tudo uma questão de oportunidade?

Prefiro acreditar que não...

Vale a pena pensar nisto :P

3 comentários:

celso disse...

Até há uns tempos atráz acreditava nesta citação: -Se vivermos uma vida honesta,vamos ter alegria,paz,respeito dos outros e bons relacionamentos.Podemos começar a ser honestos com Deus,confessando as nossas mentiras e enganos,e pedindo-lhe perdão.
Ele promete perdoar uma pessoa sincera...
Depois desiludi-me,não sei se comigo mesmo,se com os outros.
Fui desonesto?
Talvez...
Sim devo ter sido,ou então ainda não chegou a hora do meu perdão...

Marisa disse...

Como sabes... há valores em que já não acredito...
Portanto não digo coisas bonitas só para que as pessoas se sintam melhor...
Bem-vindo ao mundo real...

Macaco dos Pneus disse...

No Egipto quando alguem partia para a outra vida era julgado perante o tribunal dos deuses. O réu proclamava cerca de uma centena de mandamentos acerca da sua honestidade e rectidão, terminando com a proclamação "Sou puro! Sou puro! Sou puro!" Depois agarravam no seu coração e colocavam numa balança. De um lado o coração do réu, do outro a pena de Maet, simbolo da justiça, estabilidade e ordem. O coração teria que pesar menos que a pena, caso contrário o réu era devorado por uma besta que aguardava debaixo da balança. Se realmente o coração fosse puro então o Réu transitava para o céu e tornava-se um deus entre os deuses.

O ser humano é um ser desonesto por natureza, gostamos de mostrar que não somos mas lá no fundo todos o somos. Por vezes nem reparamos que o estamos a fazer mas é um comportamento humano normal provocado pela egocentridade que nos é também caracteristica e inata.

Vamos á Biblia e a primeirissima história lá contada fala sobre a desonestidade do Homem perante Deus quando o humano comeu o fruto proibido. E basta dar um saltinho a cada civilização que já esteve neste mundo para ver que embora culturas, tempos e pessoas diferentes de partes longiquas do mundo falam sempre deste tema.