quarta-feira, 8 de julho de 2009

O|

Não queria acreditar. Depois de tudo, ainda tinha que "apanhar" com mais uma desilusão. Logo tu que sempre disseste que não iríamos cometer o mesmo erro, que iríamos sempre falar abertamente e que o silêncio sobre nós seria proíbido.
Logo tu...
Não reconheço em ti qualquer qualidade que te permita ser meu amigo.
E sim... arrependo-me de tudo.
Quero detestar-te, mas não consigo. Ainda...
- Cabrão! É tudo o que tenho a dizer.