quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

[in]justificável...

Não me recordo nem do dia nem da noite. Apenas do cheiro e da água a pingar-me no rosto. Cheiro vivo, nauseabundo, que incomoda até o homem do cavernáculo lá do bairro, o tal que vagueia na noite apanhando o lixo dos outros. O tal... que chega a casa, farto de ir atrás na maquineta, apanhando com os odores do mundo. Ele não se queixa, porque já se habituou. Ninguém lhe liga. Fogem dele como se de uma enfermidade se tratasse. Não tem culpa. Mas vai-se lá saber… O mundo é cruel e sem justificação.

4 comentários:

Macaco dos Pneus disse...

Tão bem capturado esse momento neste texto, que mais parece uma fotografia tirada com palavras.

beijos :)

Marisa disse...

hum... nada de mais. Foram só 18 segundos de escrita... Apeteceu-me LoL... assim de repente... Beijinhos
Bigada pelo coment.

Carlos disse...

Exactamente! Uma bela foto de escrita! Se em 18 segundos fazes isto, então não sei no resto. Certamente daria uma grande história.

Marisa disse...

Aqui os escritores são vocês meninos... Eu só escrevo o que me vai na alma... Coisas sem sentido e tal... coisas que me apetecem ;)
Beijinho e bigado pelo coment também Carlos :)